Mais de 900 pessoas prestigiaram o documentário “Waldo Vieira Vida e Obra” em Florianópolis, nos dois dias de exibição do filme, sexta (15 de maio) e domingo ( 17 de maio), no Teatro Pedro Ivo. O filme, escrito e dirigido pela jornalista Kíria Meurer, voluntária da Comunicons e repórter do Núcleo da Rede Globo da RBS TV Santa Catarina, mobilizou 26 voluntários do IIPC de Florianópolis que comercializaram o equivalente a mais de três meses de venda de livros. “Poderíamos ter vendido muito mais, porém, vários títulos esgotaram na primeira exibição, na sexta-feira”, comentou Bruna Moeller, voluntária do IIPC de Florianópolis.

“O sucesso desta exibição me deixou muito feliz, estou em primener. Estavam na plateia muitas pessoas formadoras de opinião na cidade. Recebi retornos extremamente positivos e isso revela o grande abertismo do público de Florianópolis”, disse Kíria Meurer. Ela explicou ainda que fez um forte trabalho de divulgação e para isso contou com a parceria voluntária de duas assessoras de imprensa de renome em Santa Catarina, Juliana Pamplona, da Alvo Comunicação e Malu Salgueiro. A Secretaria de Administração do Estado de Santa Catarina cedeu o teatro para a exibição do filme sem custos. Foram abertos espaços importantes em jornais impressos de grande circulação como o Diário Catarinense e em outras mídias como a Rádio Itapema FM e Rádio CBN, que veiculou duas entrevistas somando cerca de 40 minutos no ar. O documentário recebeu ainda total apoio da RBS TV de SC que veiculou cerca de 30 chamadas durante a programação da Rede Globo no estado, inclusive em horário nobre, no intervalo da novela das nove e no intervalo do Jornal Nacional. O trailer, com cerca de 4 minutos, foi veiculado na íntegra no Jornal do Almoço, no jornal Bom Dia Santa Catarina e ainda em diversos blogs e colunas sociais atingindo milhares de pessoas.

A vida e obra de Waldo Vieira, um dos maiores parapsíquicos do planeta, provocou um forte impacto no público. Kíria Meurer recebeu vários pedidos para exibições do documentário em outras cidades de Santa Catarina como Criciúma e Joinville e ainda em outros estados como Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e até Tocantins.

Abaixo alguns relatos recebidos após a exibição:

 

Relato 1

Fomos na sexta feira, com um casal de amigos. Eles são religiosos, mas aceitaram o convite. Minha amiga comentou que ficou marcada pelo que foi falado pelo Djalma na questão das metas de vida: para a próxima hora, o próximo dia, o próximo ano…. E complementou que iria usar essa técnica já no dia seguinte com o objetivo de rever suas metas de vida.

Saudações!

João Marcos Zeferino, voluntário IIPC


Relato 2

– Foi perguntado se tinha o “livro” da Kíria para vender;
– Muitas pessoas comentaram que queriam fazer cursos no IIPC;
– Pessoas disseram que desejam conhecer o CEAEC em Foz;
– O produtor do espetáculo da Marisa Ort ( que seria exibido na sequência) assistiu a um pedaço do documentário e se interessou muito, foi inclusive comprar livros na livraria instalada do lado de fora pelo IIPC e perguntar se tinha sede do IIPC em SP;
– O secretário de governo do estado de Santa Catarina disse: “entrei uma pessoas e saí outra”.

Bruna Moeller, voluntária IIPC


Relato 3

Quero relatar o efeito da produção do filme nas pessoas que me acompanharam (estavam comigo meu marido, um casal de amigos, a filha e o neto deles):
Todos compreenderam de modo simples, didático, elucidativo, visual e científico o que é a Conscienciologia. A linguagem jornalística permite acessar a todos. E você, Kíria, faz isso muito, muito bem utilizando sua intelectualidade e o timbre de voz. Eles também desmitificaram a personalidade do professor Waldo.
Meu marido teve uma compreensão maior sobre o trabalho, as pesquisas, a função da Conscienciologia de um modo que eu não consegui transmitir em 17 anos de voluntariado.
O filme arrepia. E frente ao seu potencial, repito o que te falei no auditório do Teatro Pedro Ivo: que este seja o menor dos teus trabalhos na Conscienciologia. Vamos ver o que está por vir…

Kiria, muito grata!

Bjs,

Ninarosa Manfroi,


RELATO 4

Foi impressionante ver o interesse das pessoas no assunto. A percepção que tive é que as pessoas que foram não esperavam encontrar tudo o que foi oferecido. A Conscienciologia bem estruturada como ciência, a quantidade de livros disponíveis, a qualidade do documentário. Penso que, para alguns, se abriu uma nova janela de lucidez. Após o filme dava pra perceber as pessoas diferentes. No domingo fui com a Edina e a Laura (minha filha de 11 anos). Durante o filme estava muito fácil mobilizar as energias. Sai em euforin.

 Grande abraço

Lélis da Silva , voluntária IIPC


RELATO 5

Saí com o sentimento que esse documentário foi de extrema importância para a história da CCCI e que trará ainda muitos frutos. Algumas das falas do Waldo foram muito esclarecedoras, principalmente no que tange a questão da mobilização de energias e o envelhecimento somático.

Meu avô (que foi na sessão de sexta-feira, e não se identifica com a Conscienciologia), disse que isso é importante para diminuir o tempo de “iniciação” que uma pessoa necessita entender os conceitos conscienciológicos. Apesar de usar o termo “iniciação”, eu acho que ele está certo nesse ponto.

 Abraço!

 Gustavo Daux Ferreira, voluntário IIPC


Relato 6


Eu tive Banhos Energéticos em dois momentos, durante a fala do Mario Oliveira e depois no depoimento do Djalma.
Senti uma certa Euforia quando entrei na ante-sala e este estado permaneceu até eu ir deitar.
Muito bom o resultado.
Parabéns a todos
Anisia

 

 Relato 7

Durante o filme, senti meu EV e exteriorização fortíssimos!!!! Parecia que estava num laboratório de técnicas energéticas!!!!

Parabéns a todos!!!

Abraço!

Selmar Salles Teixeira


Relato 8

 Como coordenador do Centro Educacional de Autopesquisa do IIPC de Florianópolis, percebi que o evento superou qualquer expectativa, foi um sucesso! Era nítido, na cara dos voluntários, a felicidade de estarem participando deste trabalho, o qual possivelmente ficará marcado positivamente em suas holomemórias. Apesar do evento ser supra-institucional, nos momentos em que tive que representar o IIPC para a plateia, estava muito tranquilo, mesmo falando para um teatro cheio. Ficou evidente que a representatividade extrafísica do instituto é muito maior do que eu imaginava. Os frutos deste trabalho tiveram repercussões extensas e possivelmente muitas pessoas chegarão na Conscienciologia devido ao documentário.

Abraços,

Paulo Battistela, coordenador IIPC Florianópolis

 

FullSizeRender 

IMG_1855

IMG_1819

IMG_1812

IMG_1838

IMG_1852

IMG_1804

IMG_1799

IMG_1831

IMG_1797

FullSizeRender(1)

 

* Por Kíria Meurer.

Compartilhe: