No dia 6 de dezembro de 2014, ocorreu o lançamento do livro Dicionário de Eufemismos da Língua Portuguesa de autoria de Roseli Oliveira. Trata-se de uma obra inédita no idioma português que não existia em nenhum dos 7 países com esse idioma. A cerimônia ocorreu no Tertuliarium depois do círculo mentalsomático com o tema Eufemismologia.

A autoria conferiu entrevista exclusiva para o Portal da Conscienciologia:

De onde surgiu a ideia de escrever um dicionário de eufemismos?

Foi em função da necessidade de fazer pesquisa e não ter em apenas um único glossário eufemismos que atendesse a minha pesquisa e foi o megadesafio do professor Waldo Vieira que me propôs quando eu disse para ele que não tinha fonte de pesquisa ele me respondeu: “Então porque que você não escreve?”.

Esse dicionário é o primeiro da língua portuguesa. Qual foi o desafio de fazer uma obra inédita?

O desafio foi grande e de muita responsabilidade. A dificuldade também foi de conseguir os eufemismos, que está hoje com 3.722 verbetes, para que essa obra fosse publicada.

Existe algum plano ou vislumbre para as próximas edições?

Não só vislumbrei como já estou com um arquivo pronto onde já estou coletando novos eufemismos e, assim que completar 5 mil verbetes, estarei lançando a segunda edição.

Quanto tempo você levou para escrever essa obra? Qual a sua rotina de trabalho?

Eu levei, entre pesquisa, digitação, compilação e checagem de dados 3 anos e 6 meses. Eu trabalhei em média de 14 a 16 horas por dia.

Qual o recado final para aqueles que querem escrever livro e fazer suas gescons?

Em primeiro lugar auto-organização. Em segundo lugar determinação. Qualquer um pode escrever desde que tenha vontade, coragem e determinação. Disponibilize o seu tempo primeiro para você que conseguirá publicar a sua obra.

“Eu trabalhei em média de 14 a 16 horas por dia.”

 

Fotos do lançamento:

eufemismos 01

eufemismos 02

eufemismos 03

eufemismos 04

eufemismos 05

 

Link com todas as fotos do lançamento na página da Editares – lançamento do dicionário.

* Por Alexandre Pereira.

Compartilhe: