Pronunciamento de Posse de Marina Mendes Thomaz
Assembleia do Colegiado de Intercooperação – UNICIN (13.09.2015)

 

Boa noite a todos.
Compreendo que estamos iniciando uma gestão nova de 3 anos na UNICIN, no esforço conjunto de todos nós para errar menos e acertar mais, sempre juntos no paradigma consciencial.

Neste momento, eu tenho poucas certezas. Tenho muitas questões a serem respondidas e algumas dúvidas a serem pesquisadas. E as poucas certezas, eu gostaria de compartilhar com vocês.

Penso que após a dessoma do professor Waldo Vieira, com a ausência desse querido amigo de todos nós, se encerra a fase preparatória e se inicia a fase executiva da nossa maxiproéxis grupal. O desafio é de todo o grupo: é de esforço conjunto na vivência do paradigma consciencial.

O esforço somente meu ou somente de parte de vocês pode desencadear erros maiores. Somos todos competentes para fazermos o que decidirmos sozinhos, mas, estando juntos as possibilidades de realizações evolutivas são maiores, e podemos chegar mais além.

Penso que se trabalharmos unidos, coesos, integrados, conhecendo e respeitando as diferenças, conhecendo e respeitando os diferentes, conhecendo e respeitando a identidade de cada um, de cada grupo e de cada instância, podemos fazer a tão desejada e elaborada integração da proéxis de todos, a maxiproéxis.

Um estadista, presidente vindo da África nos disse: “Sou o dono do meu destino e sou capitão de minha alma” (Nelson Mandela).

Não importa o quão estreita seja a porta que temos de passar, somos donos do nosso destino e capitães da nossa alma, da nossa consciência e da nossa decisão. Por maior que seja a estreiteza da porta que estamos passando em momento tão ímpar para a CCCI, teremos melhores possibilidades se nos auxiliarmos mutuamente.

Nenhuma peça pode ser desperdiçada, nenhum erro pode não ser aproveitado e aprendido, e nenhum dos que aqui estão pode ser descartado. Cada conscin, cada amparador, cada ideia e cada projeto evolutivo, é de extrema importância para realizarmos o nosso trabalho. Assim, podemos criar uma nova filosofia de fazer as coisas acontecerem.

Hoje em dia, a minha idade me permite algumas reflexões interessantes. Por exemplo, não tenho mais medo de errar. Não me constrangem mais os meus equívocos. Penso que começa errando quem ainda tem medo de errar. Aprendi a apreender algo de muito bom com os meus erros – reciclofilia. Dessa forma, aprendi a esperar mais de mim mesma, a ser mais crítica e exigente comigo. Aprendi, acima de tudo, a ouvir os demais tal como se apresentam, sem ilusões e sem cobranças.

E, neste contexto pessoal, as críticas serão muito bem-vindas e aceitas. Eu gostaria de contar com vocês. Com as exposições dos meus equívocos e com as sugestões. Conto com as vossas heterocríticas para acertar mais.

Dentre as certezas que tenho, sei que vou errar e me equivocar. Sou uma conscin sujeita a desacertos, uma consciência em evolução. Eu não poderei atender a tudo e a todos; eu não tenho todas as respostas que o nosso trabalho demanda. Provavelmente, decepcionarei alguns.

Contudo, tenho extrema boa vontade em colaborar, seja com quem for, na manutenção e no desenvolvimento da Conscienciologia em todas as suas frentes de trabalho. Este é o trabalho que eu vim fazer e que eu quero fazer com vocês.

Tenho plena convicção de que a Conscienciologia, o paradigma consciencial, o uso do instrumental evolutivo de ponta deixado pelo Waldo é o nosso norte. Manter o ponteiro de nossas consciências voltado para este norte é o desafio para realizar os inúmeros projetos já em andamento e para continuar desenvolvendo a Conscienciologia.

Apontando para este norte, a UNICIN e o Colegiado da Conscienciologia poderão empoderar um a outro. E, as duas instâncias poderão dar o devido poder de realização, o empoderamento a cada setor e a cada voluntário integrante da CCCI.

Com a noção clara e atitudes coerentes com tal empoderamento podemos construir novos mecanismos de responsabilidades coletivas, de tomada de decisões compartilhadas. A consciência coletiva conscienciológica, valorizando e contando com todas as partes, ultrapassa a tomada de iniciativa individual.

Conhecendo e respeitando as partes, as especificidades, as identidades singulares de todos é que edificamos um organismo saudável, a Conscienciologia.

Estando imersa nesse holopensene, tenho a intenção de formar a equipe de trabalho o mais rápido possível para dar continuidade aos projetos em andamento, a partir da UNICIN.

E, aproveitando o momento, convido o professor Luiz Gonçalves a fazer parte da equipe da UNICIN e realizar esse trabalho comigo. E, se for possível, a UNICIN contar com a sua colaboração, isso poderá ajudar muito a todos nós.
Deixo aqui os meus agradecimentos a cada conscin presente e, em particular, às consciexes que nos inspiram com tanta confiança nessa realização evolutiva.

Um grande abraço a todos.
Marina Mendes Thomaz
Secretária Geral da UNICIN

Compartilhe: